A Asime promove um parque eólico offshore de referência para a Euroregião Galiza-Norte de Portugal

  • A Asime apresentou o projeto Interreg Galiza-Norte de Portugal ATLANTIC OFFSHORE WIND ENERGY – AOWINDE no evento de celebração do “Dia Mundial dos Oceanos”, no Centro do Mar em Viana do Castelo.
  • José Maria Costa, Secretário de Estado do Mar de Portugal, e Luis Nobre, Presidente da Câmara de Comércio de Viana, destacaram durante o evento a importância da cooperação transfronteiriça para promover conjuntamente a indústria eólica offshore através de projectos Interreg como o Aowinde, que apresentou a sua candidatura para elaborar um roteiro comum para a indústria eólica offshore na Euroregião.

Ontem, o Dia Mundial dos Oceanos, com o “Oceano: Pessoas e Oportunidades”, que recordou a importância dos oceanos na nossa vida quotidiana, como pulmões do planeta.

O Presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre, defendeu que os oceanos são a próxima grande oportunidade para a economia, “será a próxima revolução industrial, mas sustentável e amiga do ambiente”. Na sua intervenção na sessão de boas-vindas da iniciativa que contou com a presença do Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, o Presidente destacou o trabalho desenvolvido por Viana do Castelo como “agente ativo” no processo da economia do mar, com vários projectos na área da Economia Azul.

Durante o dia foi apresentada a Agenda do Mar 20-30 de Viana de Castelo, bem como a Projeto ATLANTIC OFFSHORE WIND ENERGY – AOWINDE por Enrique Mallón, Secretário-Geral da Associação das Indústrias Metalúrgicas e Tecnologias Associadas da Galiza (Asime), María Campos, Técnica de Inovação da Asime e David Rodrigues, da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (Aimmap).

Este projeto visa desenvolver um plano industrial para aumentar a competitividade da indústria de cero emisiones netas vinculada à cadena de valor da energia eólica marinha e impulsar a rápida transição para a neutralidade climática, no âmbito do Sector da economia azul.

AOWINDE ha presentado su candidatura al programa Interreg Galicia- Norte de Portugal (POCTEP) y cuenta como socios del Norte de Portugal a la Câmara de Viana do Castelo, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo –IPVC, el Instituto de Ingeniería, Tecnología y Ciencia de Sistemas e Informática – INESCTEC, o Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalmecânica-CATIM y la Asociación de Metalúrgicos, Metalmecánicos e Industriales Afines de Portugal – AIMMAP. Y como socios gallegos participan la Secretaría Xeral de Industria de la Xunta de Galicia, el Instituto Enerxético de Galicia (INEGA), las Universidades da Corunha e de Vigo e a Associação das Indústrias do Metal e das Tecnologias Associadas da Galiza- ASIME (líder del proyecto).

No seu discurso, Enrique Mallón, Secretário-Geral da ASIME, sublinhou que “com este projeto, procuramos posicionar a Euroregião como um pólo de referência internacional em matéria de energia eólica offshore. Queremos elaborar um roteiro transfronteiriço comum, baseado na colaboração público-privada”.

A AOWINDE pretende levar a cabo acções-chave tais como acções de formação especializada em energia eólica offshore, a criação de um Observatório transfronteiriço de tecnologias emergentes e instrumentos financeiros para atrair investimentos, acções para transformação e modernização da indústria ou criação de um piloto virtual simular um parque transfronteiriço, a fim de medir não só a implementação a nível operacional, mas também o seu impacto ambiental e socioeconómico e a sua compatibilidade com outras actividades, como a pesca ou a biodiversidade.

Durante o evento, Asime sublinhou a importância da compatibilidade entre os actores do mar: pescas, rotas marítimas, indústria eólica offshore e aquacultura marinha. “Nunca defenderemos a energia eólica offshore se ela prejudicar outros actores, mas temos de avançar e tem de haver experiências que demonstrem, como já acontece em muitos outros países, que a compatibilidade entre actividades é perfeitamente possível.“. Explicam que este projeto transfronteiriço permitiria à Euroregião ser “pioneira e líder sólida” neste domínio, reunindo o grande trabalho já realizado pela Galiza e por Portugal no domínio da energia eólica offshore.

Na sessão de encerramento, José Maria Costa, a Secretária de Estado do Mar, destacou os vários projectos em curso no domínio do mar e da Economia Azul pelo Governo português, nomeadamente nos ODS 14 e 17, relacionados com o mar e a cooperação. “Portugal tem colocado na sua agenda o cumprimento destes objectivos”, disse, felicitando o município de Viana por enfrentar os desafios e a participação de todos os parceiros, “envolvendo sectores tradicionais como a comunidade piscatória e a necessidade de coexistência do próprio mar, porque este é um espaço de partilha. As novas actividades, como já aconteceu com o ordenamento do território, têm de ser harmonizadas criando o mínimo de conflitos possível e criando medidas de mitigação onde a coexistência não é possível”.

Todos os oradores concordaram com a importância da candidatura apresentada pelo projeto AOWINDE para a promoção da energia eólica offshore, que representa uma grande oportunidade de desenvolvimento industrial para a Eurorregião Galiza-Norte de Portugal. Este pólo tem uma grande capacidade de criação de emprego, mas sempre de uma forma sustentável, tendo em conta a compatibilidade e complementaridade com as actividades já estabelecidas e especialmente com o sector das pescas. Neste sentido, os oradores sublinharam que ferramentas como o Observatório Eólico Offshore, criado pela Xunta de Galicia, servirão de fórum de diálogo e de encontro entre os diferentes sectores.

Fuente de la noticia: